Home Artigos O que é uma Missão Internacional de Negócios e o que você pode ganhar com isso
O que é uma Missão Internacional de Negócios e o que você pode ganhar com isso
Divulgação

O que é uma Missão Internacional de Negócios e o que você pode ganhar com isso

0
0
Share Button

A Magia do Mundo dos Negócios, além de uma multiplataforma de conteúdo empreendedor e realizações de congressos de vendas por todo o Brasil, também realiza missões ao Vale do Silício, na Califórnia, nos Estados Unidos, onde empresários, diretores, entre outros têm a oportunidade de conhecer este grande pólo de tecnologia, suas startups e companhias, como Google, LinkedIn e Facebook. O diretor de negócios de A Magia, André Bianchi, já organizou mais de sete missões e planeja mais seis atividades em 2017 e esclarece as principais dúvidas sobre as missões:

O que é um missão de negócios internacional? Qual é o objetivo?

Missão ou imersão geralmente são cursos ou treinamentos específicos, mas, em nosso caso, nada mais é do que levar empresários ou empreendedores, aqueles que buscam algo a mais em sua vida profissional ou empresa, a um local de grande impacto para o empreendedor, para que tenha informações de maneira direta e prática, direto da fonte.

Como funciona as missões ao Vale do Silício?

Participantes visitam a Plug and Play.
Participantes visitam a Plug and Play.

Criamos uma programação em que passamos por pequenas, médias e grandes startups, fundos de investimento, o ambiente acadêmico de Stanford, para entenderem um pouco mais dos bastidores do Vale do Silício, para saberem como se “alimenta” o executivo daquela região.

Temos atividades em empresas maiores, como Google, Facebook, Twitter, LinkedIn, criamos um panorama dinâmico, com 12 a 16 atividades em 4 ou 5 dias, com muito conteúdo prático.

Trazemos também informações internas, como atividades na Apex Brasil, onde convidamos jovens da região para apresentar seu projeto. Os participantes da missão, mesmo que não tenham interesse em fazer negócio, podem aprender como fazer uma apresentação e trazer isso para o Brasil, mudando a forma como falam, mostram seus projetos e fazem pitchs.  

Quando fizemos a primeira missão começamos a trabalhar nosso relacionamento no Vale, então quem nos recebe, são executivos, diretores e até fundadores dessas companhias.

Ainda na primeira edição, contratamos um dos melhores intérpretes, e percebemos que a cultura de negócios é tão agressiva e particular, que nem sempre era possível assimilar a informação e passar para os participantes para que aplicassem no Brasil.

Então, começamos a expandir para brasileiros com cargos altos no Vale, para que um brasileiro fale para um brasileiro. É totalmente diferente a absorção desse conteúdo. Hoje, garantimos pelo menos 70% de visitas em português.

Outro diferencial é que nossas imersões contam com, no máximo, 12 participantes, pois o objetivo é que a pessoa que nos receba não faça uma palestra, mas que dê uma informação direto da fonte, com interação, perguntas, discussão e debates. Queremos essa  acessibilidade maior, que seria diferente em um grupo de 30 pessoas.

Participantes da 7ª MIssão de Negócios visitam a Graava.
Participantes da 7ª Missão de Negócios visitam a Graava.

Quais são as informações importantes para quem está interessado em participar de uma missão internacional?

Não é nada complicado, apenas trabalhoso. Ouvimos falar sobre as novas políticas de Trump, mas estão dificultando apenas para quem tem segundas intenções com os EUA.

No caso de uma missão de negócios, é do interesse deles receber essas pessoas, pois querem fazer mais negócios, então na hora da entrevista junto ao consulado já há informações que podem facilitar. O participante pode procurar uma agência de turismo de sua confiança, que vai agilizar o visto e passaporte, com os trâmites iniciais e agendamento na Polícia Federal. A agência também pode agendar o consulado mais próximo para a entrevista.

Se já tiver passaporte, mesmo válido, é necessário ver a data de expiração, porque não pode se solicitar um visto se tiver validade abaixo de seis meses, senão não entra nos EUA.

Nos últimos anos, o visto já sai com o formato D1 e D2, que é tanto para turismo quanto negócios, que significa que o turista pode ir para fazer uma parceria, benchmarking, e dar seu primeiro passo para negócios.

Quer sabem mais sobre as missões e como participar? Acesse já este link. 

Share Button

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*